3 de outubro de 2007

O Aleph: erudição, pompa, gala e formosura

Borges bem poderia ter inventado a Internet, até porque ela difere pouco de outras bibliotecas que ele de facto imaginou. Essa grande biblioteca bórgica vem, no entanto, desvalorizar uma das dimensões da obra do grande Jorge Luis – a sua extraordinária erudição. E isto porque hoje em dia é fácil reunir-se na net, em uma ou duas horas apenas, a quantidade de referências necessárias à ostentação de uma quantidade impressionante de conhecimentos. Toda a gente pode agora, com bastante facilidade, tornar-se, se não um verdadeiro erudito, pelo menos um pretenso erudito. Mas então, quer isso dizer que está morta a magia da erudição borgiana? Talvez não completamente. Mas que essa erudição já não espanta como espantava, isso é certo.

Agora, parece que, para Borges, a erudição é apenas uma das dimensões da grande literatura. Eu digo “parece” porque nunca soube que ele o tivesse afirmado taxativamente, mas sei de um conto onde talvez o dê a entender. No conto de O Aleph que dá o título ao livro, há uma personagem que, embora caracterizada negativamente pelo narrador, talvez sirva, ainda assim, para revelar o programa literário de Borges: Carlos Argentino (nome bem pouco inocente, não vos parece?). Carlos Argentino é um mau poeta que, ao criticar, em maus versos, os maus poetas, diz que, por mais erudição com que armem o poema, e por muita pompa e muita gala que lhe dêem, é em vão que batem as asas, que serão ridículas se lhes falta a formosura.
Não se percebe bem se erudição, pompa e gala são, para Carlos Argentino, louváveis, quando acompanhadas de formosura. Mas basta ler qualquer texto de Borges para ficar a saber sem dúvida que, para ele, erudição, pompa e gala são materiais preciosos.

Agora que, com a Internet, a erudição (ou a fingida erudição, pelo menos) está à mão de qualquer um, para qualquer um poder ser Borges falta só inventar uma outra bórgica biblioteca universal onde estejam ao alcance de todos a pompa e a gala borgianas – e a sua inimitável formosura.

Sem comentários: