27 de janeiro de 2010

Conversa de cháchara

Diz Silva Carvalho, no seu livro Que Estupidez! (não li – ainda – o livro, notem, apanhei a citação na Internet): «Ninguém sabe, se a estatística existisse para estudar e computar o problema, o que significa este "chacha", qual a sua possível ortografia e a sua não menos impossível etimologia, e no entanto ele existe como um dos termos mais lídimos da nossa linguagem actual.»

Silva Carvalho tem toda a razão. Tenho aqui acesso a poucos dicionários, um de papel e os que encontro online, mas é verdade que nenhum deles tem nada a propor sobre a origem da palavra. Uma pesquisa que fiz na Internet, fora dos dicionários, também não me deu nenhuma pista. E é pena, acho eu, que se diga (ou se saiba…) tão pouco de uma palavra tão bonita e tão útil.

Agora, não foi só para me lamentar que aqui vim; quero apresentar uma hipótese sobre a origem da palavra chacha: parece-me provável que ela derive do termo espanhol cháchara – ou tenha a mesma origem. Do ponto de vista da evolução fonética, parece-me que não há muito a discutir, de tão plausível que parece, numa palavra assim, o desaparecimento de uma sílaba final átona. Quanto ao resto, vejamos:

Cháchara, em castelhano, é também uma palavra de uso corrente, com um significado muito próximo do da nossa chacha, se não mesmo coincidente com ele. Segundo o Diccionario de la lengua española da Real Academia Espanhola, cháchara significa “1. f. Conversación frívola 2. f. coloq. Abundancia de palabras inútiles 3. f. pl. Baratijas, cachivaches” (para quem não saiba o que são baratijas e chachivaches, são “bagatelas”, “ninharias”, “coisas de… chacha”.).

E a etimologia, então? Bom, se os dicionários portugueses não propõem um étimo para chacha, o dicionário da Real Academia Espanhola (que é, em princípio, fiável, embora, claro, estejamos num terreno algo movediço…) diz que cháchara vem do italiano chiacchiera, pronúncia informal, por ciacciare. Se formos mais longe na pesquisa, e consultarmos o Vocabolario Etimologico della Lingua Italiana, de Ottorino Pianigiani, veremos que ciacciàre, significa “atarefar-se muito, ou com palavras ou com actos, e com pouco proveito, em coisas que não lhe dizem respeito” e é uma forma alternativa a acciacciàre (definido como “meter-se nas conversas todas; ingerir-se sem consideração”), que, por sua vez, seria formado a partir do mesmo tema de acciaccinàrsi (ou, segundo alguns, de origem onomatopaica).

É então esta a minha proposta. Acham uma proposta de chacha? Bom, de chacha, chacha, não será, mas concordo que, como muitas vezes nestas coisas de etimologia, não há nada provado…

[Acciaccinàrsi, já agora, derivaria, segundo Pianigiani, do agerē latino: agerē, “empurrar para a frente; fazer”; agina e aina (arcaísmos), “rapidez”; ainàrsi, aginársi, “esforçar-se”; accianàrsi, “id.” (assimilação do i pretónico ao a tónico com reforço e redobro do g por troca do a inicial pela partícula ad); acciaccinàrsi (redobro da segunda sílaba). É uma possibilidade, e não deixa de ter a sua lógica, mas é uma hipótese, reconheço, que não prima pela elegância da simplicidade… Rejeitar esta proposta, claro está, não significa rejeitar a hipótese de que chacha derive de cháchara (ou tenham as duas palavras um origem comum) e que cháchara derive de ciacciare/acciacciare.]

Sem comentários: