9 de outubro de 2013

Tribulações de uma melodia

Em 1919, Irving Berlin escreveu para as Ziegfeld Follies da Broadway uma canção chamada “The near future”. A canção falava da Lei Seca e começou a ser conhecida pelo seu primeiro verso, “How dry I am”. Eis a melodia da canção:



“How dry I am” teve versões em vários estilos e, em 1970, Brent Dowe e Trevor McNaughton, do grupo musical jamaicano The Melodians, resolveram colar à mesma melodia de base uma letra muito diferente, que não falava da sede dos beberrões, mas sim do cativeiro e exílio dos judeus do Reino de Judá depois da conquista de Jerusalém pelos babilónios em 586 a.C. A letra é tirada dos “Salmo 137” do Livro dos Salmos da Bíblia, atribuído a Jeremias, e inclui uma transcrição quase literal do primeiro verso da versão da Bíblia do Rei James. Dowe e McNaughton chamaram ao resultado da fusão da melodia de Berlin com a letra de Jeremias “Rivers of Babylon”.

Do destino triste que esse canção teve depois não quero aqui falar.

3 comentários:

Helena disse...

"não quero falar" - hehehe
(eu com tanto que fazer, e aqui a perder tempo a ouvir essa chunguice...)

Vítor Santos Lindegaard disse...

Helena, se não merece ser falado, também não merece ser ouvido... Bem feita!

Helena disse...

hehehe
É a atracção do abismo! :)