29 de abril de 2014

Barrela homeopática

Há nódoas muito renitentes! Eu desesperava,  às vezes, com alguma delas. Experimentava todos os detergentes, todos os tira-nódoas, todas as receitas milagrosas que os amigos me davam e que nunca funcionavam... Até que um dia descobri a barrela homeopática – nunca mais tive problemas com nenhum tipo de nódoas!  Não me parece bem guardar para mim tão útil segredo e quero, pois, ensinar-vos aqui como se faz esta barrela. Não é difícil.
O problema da roupa suja é a sujidade. O remédio para a sujidade precisa, naturalmente, de ter na roupa os mesmos efeitos que o problema que pretende resolver:  tem de a sujar. Terra é o mais aconselhável, na opinião de vários especialistas, mas também se pode usar qualquer outra substância que suje (até porque, depois do processo de diluição que descrevo a seguir, vai tudo dar ao mesmo …). Há que diluir a substância ativa e agitá-la vigorosamente, para lhe dar potência. Pode começar por diluir 1 ml de terra em 99 ml de água destilada e agitar muito bem com movimentos rítmicos e enérgicos. Do líquido obtido, retire 1 ml, que deverá em seguida diluir em 99 ml de água destilada e agitar.  Volte a retirar 1 ml e a diluí-lo em 99 ml de água destilada. Repita este processo 60 vezes e, do líquido obtido, ponha 15 gotas em 5 litros de água, na qual deve em seguida deixar a roupa de molho durante 8 horas.

E pronto! Nem as nódoas mais tenazes resistem a esta barrela. (Bom, às vezes, há algumas, muito tenazes, que resistem mesmo... Muitas até. Mas não interessa. No geral, o método é de uma eficácia a toda a prova. Muitos céticos argumentarão que é só água que há na água. É porque não compreenderam nada do método  homeopático! Mas, mesmo que seja só água, qual é o problema? Água não lava?)

2 comentários:

jj.amarante disse...

Em relação à Homeopatia eu tenho uma opinião simples: a sua reputação deve-se ao efeito placebo e a ter apareceido num tempo em que existiam muitos remédios com efeitos secundários terríveis. Produtos homeopáticos são directamente inofensivos, só poderão actualmente ser perniciosos ao substituir o uso de remédios eficazes. Dito isto, tenho dificuldade em compreender porque é que nalguns países, como por exemplo em França, eles são subsidiados pelo Serviço Nacional de Saúde.

Vítor Santos Lindegaard disse...

Caro j.j.amarante, penso exatamente o mesmo.