5 de julho de 2016

Portugal é uma maçã da China e outras curiosidades linguísticas — sobre laranjas

Uma vez, num autocarro em Copenhaga, ouvi duas senhoras atrás de mim a falar uma língua que não faço ideia qual seria repetindo muitas vezes uma palavra que eu identificava como Portugal. «O que estarão elas a dizer de Portugal?», pensei eu, até que me levantei e vi que tinham dois grandes sacos cheios de laranjas. É claro que era de laranjas que estavam a falar, não de Portugal.

Segundo o que descobri numa pesquisa rápida na internet, laranja é portokall em albanês, البرتقال (burtuqal) em árabe, портокал (portokal) em búlgaro, purtugàl em emiliano-romanholo, ფორთოხალი (p'ort'oxali) em georgiano, πορτοκάλι (portokáli) em grego, portokal em ladino, pertügal em lombardo, Портокал (portokal) em macedónio, purtuallo em napolitano, partugal em parmesão, پرتقال (portexal) em persa, përtugal em piemontês, portocal em romeno e portakal em turco, Parece que isto se deve a terem sido os mercadores portugueses a introduzir a laranja doce na Europa, no séc. XVI. Gil Marks, na sua Encyclopedia of Jewish Food (Wiley, 2010) dá até duas datas concretas, 1529 para a primeira variedade e 1635 para uma segunda variedade mais doce.

Nas línguas europeias, além dos nomes de tipo Portugal, há os do tipo orange/pomarange, cuja etimologia última parece ser o sânscrito naranga-s, passando pelo árabe e pelo persa; e do tipo Apfelsine (d), appelsin (dk), sinaasappel (nl), etc., «maçã da China», de origem germânica, mas que se espalhou também a línguas eslavas. É quase assim também o nome botânico: Citrus × sinensis.

E laranja, a cor? É claro que, antes de haver laranjas na Europa, não havia nas línguas europeias expressões para designar a cor de laranja. A cor era designada com outras palavras, normalmente compostos de vermelho ou amarelo. Não consegui encontrar informação sobre como era designada a cor em português antigo, mas sei que em inglês, por exemplo, se usava vermelho amarelado (ġeolurēad), como aliás em alemão (gelbroth), entre outras designações.

Fonte: Wikimedia Commons
A oposição entre cor de laranja sem hífenes e cor-de-rosa com hífenes irrita muita gente. Não há 100% de acordo (há quem aceite cor de rosa sem hífenes), mas são estas formas que se encontram na maior parte dos dicionários. A explicação comum é que cor de laranja é isso mesmo, a cor das laranjas, ao passo que há rosas de tantas cores que não se pode dizer que cor-de-rosa seja a cor das rosas. Bom, a verdade é que há laranjas que têm a casca verde quando estão maduras e vivi já em sítios onde as laranjas verdes são muito mais comuns que as laranjas cor de laranja; mas é certo que, mesmo as laranjas verdes têm a polpa… cor de laranja.

Este post é bastante desnecessário — é apenas uma compilação de informação que se encontra com relativa facilidade em muitas páginas em linha. A única coisa original que tinha a dizer sobre laranjas, disse-a aqui já há algum tempo: em dinamarquês, as laranjas não têm gomos, têm barcos. (E não acham estranho que em inglês tenham apenas segmentos?)

2 comentários:

jj.amarante disse...

Muito curiosa essa introdução tardia da cor de laranja. Sabia que os Croatas chamavam Portugal às laranjas, disse-me um colega da companhia de electricidade de lá, mas não sei se usam o conceito de cor de laranja. E os alemães? Dizem apfelsinefarbe?

Vítor Santos Lindegaard disse...

Acho que em alemão, como em dinamarquês e seguramente noutras línguas, adotaram orange para a cor, e ficaram, assim, com uma palavra para a cor e outra para o fruto.

Creio que a razão da fortuna do nome do fruto como nome de cor é que a cor não ocorre muito na natureza.