16 de janeiro de 2021

Sprint

Veio-me há bocado à ideia, já não sei a que propósito, a seguinte interrogação: será que a velocidade da metade final dos 200 m em atletismo não é mais rápida que a dos 100 m? «Não será que o balanço ganho contrabalança a dificuldade do arranque?», pensei eu, que destas coisas não percebo nada.

Fui ver. Quer dizer, não fiz um estudo exaustivo, comparei apenas os tempos de alguns dos campeões de sprint que correm as duas distâncias. E cheguei logo à conclusão que as coisas não são nada lineares: para alguns, o tempo dos 200 m é mais que o dobro do tempo dos 100 m — por exemplo, para o recordista mundial de ambas as distâncias, Usain Bolt; mas há outros que correm alguma parte dos 200 m (não forçosamente a metade final, pensei eu depois) mais depressa que os 100 m, porque o seu tempo nos 200 m é menos que o dobro do seu tempo nos 100 m (ver as casas com fundo cor-de-rosa na tabela).

 
200 m
200 m / 2
100 m
Usain Bolt
19,19
9,595
9,58
Yohan Blake
19,26
9,63
9,69
Noah Lyles
19,50
9,75
9,86
Walter Dix
19,53
9,765
9,88
Tyson Gay
19,58
9,79
9,69
Asafa Powell
19,90
9,95
9,72

Agora, não se pode saber quem correu os 100 metros mais rápidos de sempre numa competição oficial (não a prova, mas a distância). Talvez haja 100 metros de uma prova de 200 m de Usain Bolt que ele tenha corrido mais depressa do que quando bateu o record do mundo dos 100 m em Berlim, em 2009. Até pode ser que alguns 100 metros da corrida de Yohan Blake em Bruxelas em 2011, quando alcançou a segunda melhor marca de sempre nos 200 m, tenham sido mais rápidos que os 100 m de Bolt em Berlim, quem sabe?

Adenda a 17.1.21:
J. J. Amarante teve a gentileza de me enviar um  detalhadíssimo relatório biomecânico da final de 200 m do Campeonato Mundial de Atletismo de 2017, em Londres, elaborado por uma equipa de cientistas da Carnegie School of Sport para a Associação Internacional de Federações de Atletismo (que se pode descarregar aqui). Na página 9 deste relatório, comparam-se os tempos dos primeiros 100 metros com os tempos dos últimos 100 m e sete dos oito finalistas correm mais depressa a segunda metade da prova que a primeira. A minha hipótese de leigo não era, ao que parece, disparatada de todo. 

2 comentários:

jj.amarante disse...

Olá Vítor, tudo bem consigo e com família? Nós por cá vamos todos bem, embora chateados com esta pandemia. Fui ver tempos intermédios dos 200m e encontrei um pdf intitulado "Men's 200m - 2017 IAAF World Championships Biomech.pdf" onde constatei que na maioria dos casos os 100m do fim da prova são corridos em menos tempo do que os 100m iniciais. Nunca corri grande coisa, gostava mais do salto em comprimento e do triplo salto que fazia na praia. Quando uma vez corri num estádio de futebol que estava deserto tive dificuldade em ir a correr do início ao fim e apreciei a dimensão gigantesca da baliza. Vou-lhe enviar o pdf num e-mail para o caso de não o encontrar logo.

V. M. Lucas Lindegaard disse...

Por aqui, tudo bem, José Júlio. Muito obrigado pelo artigo. Amanhã vou lê-lo com atenção. Então, ao que me diz, a minha intuição não era disparatada de todo. Um abraço e votos de bom ano (tudo há de melhorar...).