16 de março de 2010

Uma vida sem buracos

E se algumas pessoas (todas é um número grande demais para caber numa conjectura deste tipo…) trouxessem já consigo à nascença um utópico ideal de organização geométrica, de superfícies lisas e regulares? A Siri, a minha filha mais nova, para quem o mundo pouco mais é do que Chimoio, e para quem, portanto, as ruas normais deveriam ser as ruas que aqui há, quer sempre obrigar-me a dar voltas grandes, no caminho da escola para casa, para poder seguir as ruas mais arranjadinhas, ou, como ela diz, sem buracos. Já me explicou várias vezes que detesta buracos e hoje, num tom arreliado, perguntou-me literalmente assim:

“Mas pai, porque é que tem de haver buracos na vida?”

Sem comentários: